quinta-feira, 26 de março de 2015

Familiares e amigos velam corpo de Cláudio Marzo no Rio


Com a presença de amigos e familiares, ocorre nesta quinta-feira (26) o velório de Cláudio Marzo, no Cemitério Memorial do Carmo, na zona portuária do Rio de Janeiro. O ator morreu na manhã do domingo (22), aos 74 anos, após complicações causadas por um enfisema pulmonar. Ele estava internado desde 4 de março, com quadro de pneumonia.
 Xuxa Lopes, ex-mulher de Cláudio, foi uma das primeiras a chegar ao velório, que ficará aberto ao público até às 16h. Depois, o corpo será cremado, em cerimônia fechada aos familiares do ator. Em conversa com QUEM durante o velório, ela falou sobre o casamento com Cláudio. “Fizemos peças e filmes juntos, antes de nos casarmos. Volta e meia nos escalávamos para trabalhar juntos, e aí a gente casou e teve o Bento", contou.
"Fomos casados um bom tempo até que nos separamos, mas continuamos amigos. Íamos na casa dele e da Neia [viúva de Marzo], que é uma pessoa maravilhosa. Todo mundo sempre junto", lembrou Xuxa.
Ela falou ainda sobre a saúde frágil do ex-marido, muito por conta do vício em fumar. “Estava com muita dificuldade para respirar por causa do diabo do cigarro. Ele fumava, sabia que era uma besteira, sabia para onde ia, daí chegou o momento dele. Ele adorava fumar, e é a cabeça da pessoa, é a coisa do vício, ele não conseguiu interromper. Ele poderia ter tido uma vida. Dá raiva, ele tinha muita coisa para fazer ainda", disse, muito emocionada.
Os filhos Alexandra, do casamento com Betty Faria, Diogo, da união com Denise Dumont, e Bento, com Xuxa Lopes, também foram se despedir do pai. Betty, que chegou logo depois acompanhada da neta Giulia, consolou a filha, que estava bem abatida. Em certo momento do velório, as três se reuniram em torno do caixão aberto para entoar um mantra em homenagem a Cláudio.
Entre os amigos do ator, estiveram presentes Martha Alencar, viúva de Hugo Carvana, ao lado da filha, Rita Carvana, o ator Roberto Pirillo, além de Antônio Pedro, que chegou junto à mulher, Andrea Bordadagua. Em entrevista a QUEM, ele falou sobre o amigo. "Cláudio era uma pessoa rara, de grande integridade, um grande amigo, fomos sócios. Eu o conheci há 50 anos e o que posso dizer é que era um cara reto, decidido", disse Antônio.
Maria Zilda Bethlem chegou ao local com uma amiga, a diretora Viviane Spinelli. "A gente não pode falar o tamanho da perda porque qualquer coisa seria redundante. Na minha religião e na minha maneira de pensar, quero acreditar que ele foi descansar. Cláudio sofreu e mereceu esse descanso. Ele foi tão bacana que Deus deixou ele descansar", contou a atriz, que também falou sobre a relação que tinha com o ator.
"Conheci Cláudio há muitos e muitos anos, na década de 1970, fazendo uma novela de Marcos Paulo, que também nos deixou. Começamos a nos frequentar, ele já tinha um sítio no meio do mato onde passei vários fins de semana e carnavais. Fizemos um filme, O Homem Nu, e uma novela, A Lua Me Disse. Durante essa novela, ele já tinha problemas de saúde, mas conseguiu se recuperar", lembrou Maria Zilda.
Outra atriz que compareceu ao velório foi Arlete Salles. Em conversa com QUEM, ela contou que era comadre de Cláudio, já que é madrinha da filha Alexandra. "Nesses momentos, não sei o que dizer, não gosto da morte, a morte é algo muito radical. Vim me despedir do meu compadre e dar um beijo na minha afilhada, sou madrinha da Alexandra, e dar um beijo na minha comadre Betty", disse.
Sobre o colega de profissão, ela declarou: "Cláudio deixou uma carreira brilhante, era um homem íntegro que brilhou no cinema, no teatro e na TV. É uma pena que se foi tão cedo, poderia ter vivido mais, hoje que o homem está tão longevo. Mas onde quer que o compadre esteja, que ele esteja bem porque ele merece."
Otávio Augusto também falou sobre a relação com o amigo. "Claro que só tenho lembranças boas. Ele era um amigo de muitos e muitos anos, convivemos desde o Teatro Oficina e a TV Tupi, em São Paulo, nos anos 60. Cláudio era uma pessoa generosa e amiga, um cara muito especial. Claro que a gente sente muito, mas o que ele tinha que fazer aqui, ele fez bem", desabafou.
Múltiplas internações
Cláudio Marzo morreu na manhã de 22 de março, após complicações causadas por um enfisema pulmonar. De acordo com a assessoria de imprensa da Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, ele estava internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) da unidade desde o dia 4 de março por conta de uma pneumonia.
Há meses o ator vinha sofrendo com a saúde frágil, e fez várias passagens pela mesma clínica, localizada na Gávea. Em setembro de 2014, Cláudio passou duas semanas internado por conta de uma pneunomia. No mês seguinte, foi submetido a uma cirurgia no aparelho digestivo e, em novembro, foi internado mais uma vez com hemorragia digestiva e diverticulite. Neste ano, teve problemas respiratórios e voltou para o hospital em fevereiro.
Fonte:Quem