segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Arlete Salles afirma: ‘A minha profissão ilumina a minha vida’

A taxista Vilma, de Fina Estampa, vivida por Arlete Salles, ganhou a simpatia dos telespectadores, que se identificam com as dificuldades vividas pela personagem. A atriz subiu ao palco do Domingão para comentar o novo trabalho e relembrar outros papéis que interpretou ao longo de mais de 40 anos de televisão. Arlete acredita que é o ator quem empresta a vivência para os personagens. “Cada personagem é um novo desafio. Você tem que estudar e procurar conhecê-lo em sua profundidade”, contou. 

No caso da Vilma, a atriz pensou o porquê da personagem ter se tornado taxista. “É uma profissão dura, que exige coragem”. Ela conheceu algumas mulheres que vivem disso. “Elas me contaram histórias maravilhosas de passageiros”, falou.

Quando descobriu que estava noArquivo Confidencial, a atriz ficou sem palavras. O primeiro a falar foi José Martins da Silva, atual morador da casa em que ela morava. “Fico feliz por ela ter nascido nesta casa, porque eu também nasci aqui. Vou compartilhar esse presente com os meus amigos. Me faz sentir uma celebridade”.
A mãe da atriz, Severina Salles, lembra que Arlete era levada. “Ela sempre fez o que quis”. Alexandre Barbalho, filho da atriz, recordou que a mãe tem sede de viver. “Ela tem um coração cheio de sonhos. Minha mãe conseguiu chegar onde muitos atores gostariam: no coração do povo brasileiro”, falou, emocionado. “Eu sou determinada. Quando alguém quer impedir, eu discordo e sigo em frente”, completou Arlete.
Albuquerque Pereira, ator, contracenou com a atriz ainda em Pernambuco. “Todo mundo gostava de trabalhar com ela, porque era uma máquina de decorar. E naquele tempo não havia edição. E a Arlete já garantia que ninguém ia perder tempo”. Aldemar Paiva, diretor de teatro, falou dos espetáculos em que eles faziam pelas cidades do interior do Recife. “Arlete não voltou mais ao Recife, mas desejo felicidades a ela”.
O ex-marido, o ator Lúcio Mauro, comentou a época em foram casados. “Como eu sempre fui muito boêmio, acho que em determinado tempo o relacionamento foi desgastando. Conversamos muito, mas mesmo separados, eu sou um grande amigo da Arlete. Só tenho que agradecer essa parceria, pedir desculpas pelas minhas falhas e dizer que continuo te amando e que você seja cada vez mais feliz”, frisou.


Acompanhe a homenagem completa: