terça-feira, 11 de setembro de 2012

Patricya Travassos fala sobre sua personagem


RIO - No apartamento recém-reformado, no finalzinho da Marquês de São Vicente, o vira-lata Chico e o gato Pru se apressam em dar as boas-vindas para os visitantes se antecipando às saudações da dona da casa, a atriz Patricya Travassos. Ela ri com aquele jeito zen que conquistou os telespectadores do programa “Alternativa: saúde” no GNT, que apresenta há 14 anos, e fala, com entusiasmo, sobre a experiência de reviver a personagem Selma, da peça “A partilha”, de Miguel Falabella, ao lado das atrizes Suzana Vieira, Arlete Salles e Thereza Piffer.

— A Selma é o personagem mais desenhado da peça, a irmã careta, casada com um militar que conheceu aos 15 anos, mora na Tijuca e cuida da mãe até ela morrer, o que provoca nela um ressentimento das irmãs. Naquela época eu tinha menos experiência, vinha de um grupo de teatro muito livre (Asdrúbal trouxe o trombone), as peças eram criadas por nós mesmas e foi difícil entrar numa peça marcadinha, com um grupo de pessoas que vinha da televisão. Hoje me sinto mais preparada para interpretar a personagem. Vale lembrar que todas as famílias têm uma Selma — arrisca a atriz. — Eu sempre digo para o Miguel que daqui a 100 anos essa peça vai ser um clássico porque ela fala de afetividade, de conflitos, de diferenças, e do amor que permeia todas elas.

Aliás, relacionamento entre irmãs é assunto que Patricya entende bem. Elas são sete e, apesar de serem muito diferentes, têm muitas coisas em comum.

— É igualzinha à família da peça, a gente se encontra bastante, mas cada uma tem a sua vida. Não sei como seria a nossa relação se tivéssemos que fazer uma partilha...

Fonte: O Globo