sábado, 13 de agosto de 2011

Festa de lançamento de "Fina Estampa"

Retirado do blog do autor:
É bom saber que se tem pra onde ir quando alguém nos diz:
“Vai procurar tua turma, ô muquirana!”


Na noite desta quinta-feira, ao chegar ao Espaço Lamartine, lá no Itanhangá profundo, e ver lá reunida aquela multidão de rostos conhecidos – meus e do público – eu pensei: “essa é a minha turma”. Sim, a televisão, e mais essa legião de amigos que me rodeia dentro e fora dela, incluindo vocês que me lêem e aqui comentam, é a minha turma; é o meu mundo. E eu vos declaro aqui e agora que sou um homem muito feliz por ter tantos, tão queridos e fiéis amigos.

A festa de lançamento de uma novela das 21 horas, vocês sabem, é uma praxe a ser cumprida a cada estréia, duas vezes ao ano. Eu, que tantas novelas escrevi, já tive que comparecer a muitas dessas festas; mas pela primeira vez posso desdizer a máxima segundo a qual “quem já viu uma viu todas”, porque dessa vez foi diferente. Nunca tinha visto tanto entusiasmo antes. Em “Fina Estampa” há, como disse o produtor Ricardo Scalamandré durante minha visita à Cidade Cenográfica, “um perfume de sucesso no ar”. E esse perfume ao que parece foi borrifado em todos os que participam da criação da novela que, reunidos ontem na festa, não conseguiam conter o entusiasmo.

Eu, com minha tendência ao ceticismo, prefiro sair pelos corredores da minha casa a imitar Doris Day quando cantava: che sará, sará!… Mas sempre com uma coisa a me dizer ao pé do ouvido: yes darling, vai dar certo!

Apesar do meu salto cinco e meio não fui o mais alto da festa – Marcelo Brou e o filho da Meg Santos me deixaram mais baixo vários centímetros. Também não fiquei os exatos setenta minutos programados… Nem podia, pois não é todo dia que alguém como eu se vê como o astro mais central de um céu tão estrelado.

De qualquer modo, quando saí do Espaço Lamartine alguns minutos depois da exibição, num telão, das alucinantes cenas dos próximos capítulos (beijo tuas mãos Wolf Maya, muito obrigado por me presentear com mais esse trabalho tão lindo), a festa estava no auge, e assim continuou até alta madrugada. Eu, que já estava às quedas, e sabia que boa parte do elenco iria gravar hoje, vim pra casa a pensar:

Meu Deus, quanta saúde, além daquela beleza toda… Como é que eles conseguem?



Fontes: Aguinaldo Silva Digital, EGO, UOL