quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Relembre a peça "Todo Mundo Sabe que Todo Mundo Sabe"



A decadência de uma família da alta sociedade promete fazer muita gente rir no espetáculo Todo Mundo Sabe que Todo Mundo Sabe, com elenco capitaneado pelas atrizes Arlete Salles e Laura Cardoso.

Quem diria? Evangelina Melo da Cunha um dia quase botou o pé na lama. A tal Evengelina é uma solialite decadente e quase falida, que um belo dia se vê ameaçada a vender sua cobertura para pagar as dívidas. Mas não se dá por vencida e planeja mil artimanhas para sair do atoleiro. Casar sua filha com um milionário pode ser uma saída. Acontece que ocabra em questão é gay. Mas o filho de Evangelina também é da turma do rico emergente. Quem sabe?

O espetáculo satiriza um segmento da sociedade, que já viveu seus momentos de glória, freqüentou colunas sociais, promoveu escandalosas festas e agora vem perdendo terreno para os emergentes da Barra da Tijuca. Esses personagens que estão em ascenção carecem de pedigree, é bem verdade, mas em compensação ostentam somas generosas de cifras nos bancos.

Os autores Miguel Falabella e Maria Carmem Barbosa também mostram que toda miséria pode ser superada. Em Todo Mundo Sabe que Todo Mundo Sabe, a família de Evangelina, quando depara-se com a decadência, podem dar um mergulho de humanidade e sair do jogo superficial das aparências.

A pernambucana Arlete Salles carrega tintas no lado patético e alienado da ex-grã fina e desde 94, quando estreou no Rio, diverte muita gente. Laura Cardoso interpreta uma velha tia, irônica, que chega a dizer "que quando não se é rico é melhor ser miserável. Classe média, jamais".

Quase todo mundo sabe que a dobradinha Miguel Falabella e Arlete Salles dá pedal para o sucesso. O cronista do cotidiano Falabella lançou mão de uma situação-limite para falar dos problemas universais do ser humano. A peça focaliza temas como a solidão, a velhice, a dificuldade de viver sem estabilidade emocional e material, o medo da morte, as necessidades de adaptação às mudanças.

Arlete encarna uma espécie em extinção e reforça a ilustre figura de sua personagem com uma louríssima peruca loura. Sem condições de viver com a dignidade de outrora, a família tenta manter as aparência das formas mais insólitas.