domingo, 16 de maio de 2010

ISTOÉ Gente - Fisgada pela rede - 2005




A tela iluminada anuncia um mundo desconhecido. Diante do computador, Arlete Salles vive pela primeira vez a experiência de entrar em uma sala virtual de bate-papo. Convidada para viver Ademilde, uma empresária que procura o homem ideal através da internet em A Lua Me Disse, a atriz precisa desenvolver destreza no comando do mouse e intimidade com a linguagem até então ausente de seu cotidiano. Com o apoio de um professor particular, Arlete se lança à rede virtual protegida pelo codinome de sua cachorra Kika.

Mesmo resguardada pelo anonimato, assusta-se
ao constatar a velocidade como se desenrolam os encontros virtuais e se surpreende ao receber insistentes convites para sexo. “É uma busca frenética, direta e até desesperada, às 8h”, diz a atriz, que pretende comprar seu primeiro computador quando acabar a novela. Quer ter e-mail, ler os jornais e entrar nas páginas das lojas preferidas. “Hoje em dia é até inconfessável dizer que você não tem intimidade com computadores”, diz ela, que pretende manter distância das salas de bate-papo.

Arlete esclarece que os encontros olho no olho ainda são os seus preferidos. Até mesmo quando a busca é por novos amigos, ela acredita que o contato pessoal é essencial. Recorre às recordações do início de sua amizade com Miguel Falabella, autor da novela e parceiro em trabalhos como A Partilha e Salsa e Merengue. “Miguel foi um grande encontro, um presente que a vida me deu.” Fã de Arlete desde os anos 70, quando colou na parede do quarto um pôster da atriz numa foto exuberante, o novelista só conseguiu a atenção de sua diva quando atuaram em O Outro, de 1987. “Em 1984, já tínhamos feito Amor com Amor se Paga e a Arlete não me dava confiança. Eu babava quando cruzava com ela no corredor”, lembra Falabella.

A dificuldade em compor a face solitária de Ademilde se justifica na biografia da atriz. Com energia revelada por gestos largos e risadas sonoras, Arlete busca na memória reminiscências de suas histórias de amor.
“Ou a paixão faz estremecer o peito, ou não serve para mim. Não fico com um homem só porque ele é bom companheiro.”

Fonte: http://www.terra.com.br/istoegente/300/reportagens/arlete_salles.htm