domingo, 13 de junho de 2010

ARLETE SALLES

O teatro musical, por ser o mais completo, claro, é o mais trabalhoso.
É suor e lágrimas. Os joelhos com suas patelas e meniscos nos ameaçam o tempo inteiro. A voz torna-se uma obsessão. Um espirro pode nos jogar no desespero. Mas, com certeza, de todos os gêneros teatrais, é o mais vibrante, mais alegre e contagiante.
Não posso esquecer do meu maestro Felipe Senna. Esse já ganhou o reino dos céus depois do trabalho paciente e carinhoso que fez comigo junto com Bauzys. Meu carinho e gratidão também ao produtor Sandro Chaim, Jeff, o coreógrafo, Fernanda Chamma e ao meu amigo querido de todas as horas Miguel Falabella, que acreditaram que eu -totalmente inexperiente neste campo- pudesse encarnar esta VELMA que já é motivo de muito orgulho pra mim.
Agora estamos entregues ao público e aos Deuses do teatro.
É chegado o grande momento. O coração dispara no peito.
É o momento sublime da vida do artista. AS CORTINAS VÃO SE ABRIR!!!
Até já!

              Amor,
                        Arlete