domingo, 13 de junho de 2010

EDSON CELULARI

QUANTA GENTE TALENTOSA!
Quando o Miguel me ligou e me convidou para fazer a Edna, minha primeira reação foi de surpresa. O Sandro Chaim me ligou logo em seguida e, totalmente mancomunado com Miguel, reforçou o convite.
Então eu me lembrei dos filmes do Fred Astaire, a que eu sempre assisti. Da sensação ''I'm in heaven''...que eu ficava quando via a Cyd Charisse e suas longas pernas dançando. E as peças que eu vi e revi em NY, sempre apaixonado pelo gênero comédia musical. E aí eu topei, cheio de vontade e de medo, feito criança.
Mas eu não imaginava que fazer um musical, assim à ''La Broadway'', cantando, dançando e representando uma mulher, dona de casa e gorda, fosse tão difícil e viria a ser um dos meus maiores desafios como ator:
Como dar vida a uma mulher de verdade? Como ser mãe? Como age uma mulher bem acima do seu peso? Como ela pensa? Como ela anda? Como ela resolve seus sentimentos? Quais as suas vontades, desejos e sonhos? Como pensar em tanta coisa ao mesmo tempo?
Saí atrás das minhas respostas com infindáveis aulas de canto e dança. Fui juntando uma coisa aqui, colocando outra ali. Provando próteses para aumentar meu corpo. Experimentando vozes, andares, procurando o tom e as notas sem sair do compasso...
Confesso que os muitos talentos à minha volta me ajudaram muito. No Miguel encontrei uma cumplicidade que me fez entender o humor da Edna com olhos curiosos e sem pudor. No maestro Felipe Senna e sua equipe, a confiança que existe uma luz no fim do túnel para as minhas dificuldades. Na Fernanda Chamma e no Jeff Whiting (meu anjo da guarda), a certeza de que nada é impossível de ser conquistado na dança, basta acreditar e trabalhar duro e repetir, repetir e, depois, repetir...sempre com inteligência. Nos meus colegas atores, cantores, bailarinos e músicos um olhar de ''estamos no mesmo barco'' e ele não pode afundar...Arlete, querida, obrigado pela sua coragem. Simone, quanta disciplina e eficiência em 1,50m de altura. Jeniffer, com 15 anos você já me ensina tanto. Edgar, você tem sido um ''marido'' exemplar...enfim, eu agradeço a todos vocês seus talentos.
Hairspray é um espetáculo de sucesso por onde passa, mas será que o tema e a história interessam ao público brasileiro? Eu tenho certeza que sim.
Nossa montagem é plena de alegria, de dedicação e muito profissionalismo. A tradução e a versão do Miguel aproximaram o texto original e as letras das músicas do nosso humor. Os assuntos e temas em cena são claros e possíveis de estarem acontecendo no Brasil de hoje. O tema ''segregação'', por exemplo, hoje, vale muito mais pra gente do que pros americanos.
Enfim, espero que vocês se divirtam tanto quanto eu. E é com orgulho que eu digo: senhoras e senhores, sejam bem-vindos.
O show já vai começar!


             Edson Celulari